quarta-feira, 26 de novembro de 2014

ITAÚ LANÇA PDV SEM NEGOCIAR COM MOVIMENTO SINDICAL!

26.11 - 17.32hs
Pedimos para que os colegas do Banco Itaú não se precipitem em aderir este PDV lançado sem o aval do movimento sindical.
A proposta acaba sendo atrativa, mas mínima, com até cinco salários de indenização e um ano de plano de saúde a mais.
Até o momento o banco não procurou pelo movimento sindical e não existe nenhuma garantia de que as promessas feitas sejam cumpridas, então todo cuidado é pouco neste momento e aconselhamos os trabalhadores não aderirem este plano momentaneamente, até que tenhamos conhecimento de seu conteúdo e para quem ele será interessante.

Aguarde novas instruções!

ATUAÇÃO SINDICAL NEM SEMPRE É BEM INTERPRETADA!

26.11 - 17.30hs
Na grande maioria das vezes é mais fácil se acomodar com a situação, do que brigar contra os vícios e seus erros.
Somos contrários a qualquer tipo de injustiça, seja ela cometida contra o menor ou contra o maior funcionário, se está errado, vamos discutir.
Precisamos lutar contra o comodismo e nem sempre isso é bem visto, principalmente pelas administrações que interpretam nosso trabalho de forma errada, como estivéssemos atrapalhando, quando na verdade é justamente o contrário, queremos corrigir o que está prejudicando o quadro de funcionários.
A separação entre área comercial e área administrativa é coisa antiga e do banco, portanto não pode ser imputada ao movimento sindical, como se fossemos os responsáveis por estas ou aquelas atitudes tomadas pela empresa.
Algumas verdades acabam sendo abafadas e nunca serão em benefício dos trabalhadores. É como a defesa dos advogados no esquema do lava-jato, que afirmam seus clientes terem entrado no esquema, senão não pegariam o trabalho.

Isso é ser nivelado por baixo! Me sujeito ser corrompido, mas não serei ético! O que me faz lembrar aquele político, que rouba, mas faz!

domingo, 23 de novembro de 2014

CIDADE DE LIMEIRA PEDE MAIS SEGURANÇA NO BMB.

23.11 - 14.35hs
Após assalto ocorrido em 07.10, onde clientes e funcionários foram mantidos reféns dentro do banco, durante um assalto, vereadores da cidade pediram mais segurança para aquela agência.
As reivindicações são as básicas do movimento sindical e a colocação da porta com detector de metais seria na entrada do autoatendimento, como reivindicamos em mesa temática com a Fenaban.
A preocupação dos vereadores também faz coro com nosso Sindicato, quando pedimos mais funcionários no atendimento, principalmente para com os idosos, que são excluídos do expediente interno do banco, sendo atendidos somente nos caixas eletrônicos.

Trabalhando a prevenção temos certeza que a qualidade no atendimento melhorará muito! 

MESA TEMÁTICA DE SEGURANÇA BANCÁRIA.

23.11 - 14.42hs
Depois da campanha salarial 2014, esta será a primeira reunião da comissão de trabalho que discute segurança bancária com a Fenaban, agendada para as 15 horas de amanhã, dia 24.
Uma reunião prévia está agendada para as 10 horas da manhã, para alinharmos nossos pensamentos e discutirmos as pautas que serão abordadas no período da tarde.
O movimento sindical não perde de vista o que consideramos como fundamental, que são os números de assassinatos ocorridos em decorrência dos assaltos contra bancos ou clientes pós-atendimento bancário, as conhecidas saidinhas de bancos.
Desde 2011 os números vêm crescendo e em 2013 foram registradas 65 mortes. Em 2014, só no primeiro semestre foram cometidos 32 assassinatos.

Temos conquistados avanços neste sentido, graças a organização da Comissão de segurança, que acaba trazendo benefícios para a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) dos bancários.

103ª CCASP NA POLÍCIA FEDERAL EM BRASÍLIA MULTOU 16 BANCOS.

23.11 - 14.30hs
A Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP), composta por empresários do ramo de segurança privada e trabalhadores envolvidos no assunto, esteve reunida no último dia 19, para discutir os rumos dos processos iniciados em empresas que descumprem a legislação de segurança brasileira, denunciadas pelos sindicatos e autuadas pelos órgãos competentes.
Bancários e vigilantes tem assento garantido nesta comissão, que pode sugerir o agravamento de multas aplicadas contra as empresas infratoras, tendo como base as ocorrências e principalmente quando das reincidências de falhas ou persistência nos erros. No total, entre 16 bancos foram aplicados R$ 7,406 milhões em multas, por falhas de segurança em agências e postos bancários.
Os bancos que pagarão mais multas são:
Banco                    Valor
Itaú                 R$ 2,388 mi
Bradesco        R$ 1,855 mi
BB                    R$ 1,330 mi
Santander      R$ 964 mil
Caixa               R$ 419 mil

HSBC               R$ 208 mil

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Demissões no HSBC suspensas até janeiro de 2015.

20.11 - 13.54hs
O banco HSBC demitiu nos últimos dias cerca de 1000 funcionários em todo o território nacional, segundo avaliação do comando de negociação daquele banco.
Por outro lado o banco afirma que foram pouco mais de 400 demissões.
Algumas negociações foram marcadas pelas partes e de concreto,o que podemos afirmar é que o banco tem hoje a faca e o queijo nas mãos para praticar um limpeza em seu quadro funcional, já que o banco anuncia que não dará lucro e este é o único argumento para deixar de pagar a PLR.
Quanto ao pagamento desta verba, o movimento sindical fez sua parte e negociou um credito de R$ 3.000,00 por funcionário, aceito pelo banco.
O que percebemos é que o momento é propício para o banco em justificar demissões pela falta de lucro, escolhendo estrategicamente o desligamento de funcionários com salários maiores, com tempo de casa e consecutivamente, com idade avançada considerando a oferta de mercado.
Enquanto o movimento sindical negocia, uma trégua nas paralisações foi exigida pelo banco e as conversas se arrastaram por dias, com a confirmação do banco em não demitir até o início de janeiro/15 e a revisão dos casos de estabilidade. para os demitidos, mais tres meses de uso do plano de saúde e tres valores do tiquete alimentação.

Na base de Sorocaba, duas homologações não foram feitas devido a condição de estabilidade dos demitidos que não foram ouvidos quando avisaram da impossibilidade do desligamento e isso trás mais desconfiança aos que ficaram, pois o banco não respeitou o que está garantido na CLT, bem como na CCT da categoria. Estamos acompanhando os acontecimentos.

Estabilidade para aposentadoria.

20.11 - 13.49hs
Os dias são outros e nosso sindicato tem sido bastante objetivo em orientar os trabalhadores quanto a estabilidade adquirida, através da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), quando o trabalhador atinge o tempo de casa para a pré-aposentadoria, que para os homens é de 30 anos e para as mulheres é de 25 anos.
Muitos ainda se iludem em querer atingir a aposentadoria integral, mas os bancos estão deixando claro que não se interessam mais por funcionários de carreira e as oportunidades de demissão acabam sendo atrativas, devido ao volume de jovens que procuram emprego nos bancos e estes desconhecem seus direitos, o que é um atrativo ainda maior para a ganância financeira.
Por outro lado, a realidade é que nenhuma empresa se importa em saber se o empregado tinha ou não outro emprego antes de iniciar suas atividades na empresa e diante de um quadro desfavorável, apontam para as vítimas que deverão ser desligadas, independente de quaisquer que sejam os problemas que possam gerar com tal procedimento e aí cabe a vítima, provar em juízo que goza de estabilidade.
Juridicamente isso pode ser revertido se os documentos forem consistentes, mas acreditem, muitos não buscam seus direitos e a instituição financeira tira proveito disso, ganhando alguns trocados com a desinformação do trabalhador, que desconhece a existência de um departamento jurídico dentro do sindicato.
O pior é que em muitos casos, o mesmo que demite encaminha o exa funcionário a um advogado conhecido da administração e nem sempre os processos são vitoriosos na proporção devida, aliás ao final do processo, quem indicou o cliente ganha uma caixinha pela indicação.
Aconselhamos aos funcionários que estão próximos de suas estabilizares, que conversem com nossos advogados e que, diante das dificuldades que atravessamos na manutenção dos empregos, que façam os comunicados aos bancos quando estiverem adquirindo suas estabilidades, para evitar problemas jurídicos futuros.

Ligue 32292990 e fale com nossas advogadas!